Como escolher seu fornecedor de computação em nuvem?

A computação em nuvem está se consolidando no mercado brasileiro de TI, e tudo indica que deve crescer ainda mais nos próximos anos. Após um sequência de eventos positivos para o setor, iniciada com a chegada da Amazon em 2011, dados divulgados em outubro de 2015 pela Cisco, gigante global no mercado de conectividade, indicam que o tráfego total desse segmento deverá quadruplicar até 2019. Além de uma tendência, a computação em nuvem é, cada vez mais, uma realidade nas empresas brasileiras.

Neste post https://ecoit.com.br/blog/computacao-em-nuvem/5-mitos-desvendados-sobre-a-computacao-em-nuvem/ já desvendamos 5 mitos sobre a computação em nuvem. Hoje, vamos falar sobre o que você deve observar para escolher um bom fornecedor de cloud para sua empresa. A primeira dica é um tanto óbvia, mas é por onde tudo deve começar.

1 Estabeleça um objetivo para a computação em nuvem

Há um velho ditado que diz: “não há vento que ajude um barco sem rumo”. Essa filosofia é extremamente necessária para tomar melhores decisões na área de TI, que hoje é o coração de qualquer atividade empresarial. Tudo passa por um sistema, seja uma planilha ou um ERP. Ter clareza dos objetivos a serem alcançados com a adoção da computação em nuvem vai facilitar seu processo de tomada de decisão, potencializando os resultados e tornando o caminho mais fácil.

2 Investigue seu fornecedor

Há diversas empresas oferecendo serviços em nuvem sem uma estrutura adequada. Antes de fechar o contrato, investigue seu potencial fornecedor. Seus data centers estão geograficamente distantes? O fornecedor tem estabilidade financeira para se manter operando nos próximos anos? Tem escala para suportar o crescimento do seu negócio? A redundância respeita os critérios internacionais de segurança da informação, como um site backup a, no mínimo, 10km de distância do site principal?

Essas perguntas podem parecer triviais, mas muitas companhias tiveram perdas totais de suas informações nos atentados terroristas de 11 de setembro, em 2001, pelo simples motivo de que o data center de backup das suas aplicações na torre norte funcionava na torre sul. Quando as duas torres vieram abaixo, os originais e as cópias sumiram.

3 Cheque as referências

Qual a base de clientes do seu fornecedor? Converse com alguns deles para comprovar se o que está sendo vendido pela empresa condiz com o serviço entregue na ponta. Antes de confiar seus dados a uma empresa, tenha certeza de que eles serão tratados adequadamente.

4 Saiba se a empresa tem certificações e SLA

Auditorias externas, certificações de procedimentos e qualidade nos processos, como ISO, ajudam a chancelar uma empresa como confiável. Ao mesmo tempo, é importante ter um acordo de nível de serviço, os famosos SLAs, estabelecido em contrato. Observe quesitos como tempo de disponibilidade, que deve ser de, no mínimo 99%, atendimento de chamados técnicos ou suporte imediato e, principalmente, a segurança. Saber que medidas são adotadas para garantir o sigilo da suas informações, confiabilidade na defesa da infraestrutura contra ameaças externas, ou mesmo, para garantir que a operação de outros clientes não interfira na sua operação, vão ajudá-lo a se prevenir de futuros problemas.

5 Escolha o melhor modelo de tarifação

Existem provedores que permitem ao cliente optar pela cobrança entre alocação de recursos, como quantidade de memória RAM destinada à nuvem, ou por tempo de uso. Imagine aplicações críticas, como o sistema de vendas, numa demanda maior de final de ano. O modelo correto de tarifação nesse período específico de 1 ou 2 meses pode maximizar o resultado, melhorando o retorno sobre o investimento de toda a aplicação.

Ficou mais fácil escolher o seu fornecedor de computação em nuvem? Agora é com você. A partir do que vimos neste post, escolha quem vai lhe permitir surfar nessa onda de inovação e escalabilidade.

 


Compartilhe com um amigo!