descriptografia

Descriptografia: tudo que você precisa saber sobre esse processo

A descriptografia é a operação inversa da criptografia. Esse é o processo realizado para “destravar” seus arquivos criptografados.

Em outras palavras, a descriptografia é o processo de transformação de dados que foram tornados ilegíveis por meio da criptografia.

Ou seja, é a atitude de trazer um arquivo, ou conjunto de dados, de volta ao formato não criptografado.

Na descriptografia, o sistema extrai e converte os dados ilegíveis e os transforma em textos e imagens facilmente compreensíveis não apenas pelo leitor, mas também pelo sistema.

Quando realizado por meio de uma chave, usa-se no processo de descriptografia a mesma chave ou senha utilizada para criptografar seus dados anteriormente.

Portanto, para realizar a descriptografia você deve saber a chave que foi usada anteriormente, durante a criptografia.

No caso da descriptografia de chave pública, existem duas possibilidades que você precisa ter conhecimento sobre:

  • A chave pública, se os dados foram criptografados usando a chave privada;
  • Ou a chave privada, se os dados foram criptografados usando a chave pública.

Para entender melhor sobre o processo de descriptografia, vamos falar antes sobre chaves criptográficas, tipos de descriptografia e sobre os riscos dela.

Chave Criptográfica

Saber o que é chave criptográfica e a importância dela na proteção de informações é essencial para você entender melhor sobre o processo de descriptografia.

A chave para criptografia ou descriptografia trata-se de um valor secreto que modifica um algoritmo de encriptação. Vamos imaginar um cenário próximo ao cotidiano de qualquer pessoa.

A fechadura de uma porta possui uma série de pinos. E cada um desses pinos tem múltiplas posições possíveis.

E a chave destinada à criptografia e descriptografia de dados funciona exatamente como a chave de uma fechadura de porta.

Quando você coloca a chave na fechadura, cada um dos pinos é movido para uma posição específica. E a chave é quem determina as posições dos pinos necessárias para a fechadura ser aberta.

Assim como para a criptografia, existem dois métodos de descriptografia de chaves. Vamos esclarecê-los agora para melhor desenvolver seu entendimento sobre a descriptografia.

Descriptografia simétrica

A descriptografia de dados criptografados com algoritmos simétricos é semelhante ao processo usado na criptografia de dados com algoritmos simétricos.

Essa afirmação pode parecer um pouco confusa, mas, acredite, está correta.

Se você deseja descriptografar dados que foram, em primeiro lugar, criptografados com algoritmos simétricos, você utilizará um processo semelhante para conseguir tal feito.  

Diversas ferramentas com classes de criptografias simétricas podem ser obtidas. A classe é usada para realizar a descriptografia dos dados lidos de qualquer objeto de fluxo gerenciado.

Para ocorrer a descriptografia, uma conexão criptografada deve ser feita para o receptor da mensagem. A conexão deve utilizar a mesma chave e algoritmo usados.

Se essa conexão é feita, a descriptografia da mensagem é realizada com sucesso.

Pode-se dizer que a descriptografia simétrica é também conhecida como descriptografia de chave secreta.

Pois, apenas uma única chave é usada tanto para criptografar como para descriptografar uma mensagem.

Ou seja, uma chave privada é gerada e usada nas duas pontas da transmissão: na emissão, por aquele que emite a mensagem, e na recepção, por aquele que a recebe.

Para isso, se faz necessária o uso de uma chave simétrica.

Descriptografia assimétrica

Da maneira semelhante ao que descrevemos no tópico anterior, o processo de descriptografia assimétrica, de dados criptografados com algoritmos assimétricos, também fará uso desses mesmos algoritmos.

A classe de descriptografia assimétrica é usada com as classes simétricas de criptografia fornecidas pela ferramenta escolhida.

Assim, a descriptografia dos dados lidos pode ocorrer de qualquer objeto gerenciado do fluxo.

Nesse caso, um participante (chamado de A) gera uma chave pública e outra privada, e armazena a chave na memória ou em um contêiner de chave de criptografia.

Em seguida, a chave pública é enviada para outro participante (chamado de B). Usando a chave pública, o participante B criptografa os dados e envia os dados de volta para o participante A.

Depois de receber os dados, o participante A realiza a descriptografia das informações usando a chave privada correspondente.

A descriptografia assimétrica, ou descriptografia de chave pública, usa o que é chamado de um “par de chaves”, uma pública e a outra privada.

Nesse caso uma chave pública é gerada e usada para criptografar a mensagem, enquanto uma chave privada é gerada e entregue ao receptor para realizar a descriptografia.

Logo, a descriptografia terá êxito apenas se o participante A usar a chave privada que corresponde à chave pública que o participante B usou para criptografar os dados.

Nesse caso, se torna necessário o uso de uma chave assimétrica.

Benefícios da descriptografia

A descriptografia pode ser uma solução para você e sua equipe recuperarem os dados sequestrados em um ataque ransomware, por exemplo, de forma ágil e rápida.

Claro que para isto ser possível, é preciso ter acesso a chave que possibilita a descriptografia, o que não é tão simples.

Porém, a descriptografia vai além disso. A seguir, separamos para você alguns benefícios que tal prática pode gerar para o seu negócio:

A descriptografia abre uma porta para diversas possibilidades de correção de riscos que podem afetar você, sua equipe e seu negócio.

Para alertá-lo melhor sobre o assunto, separamos a seguir as principais vantagens que podem afetar positivamente a empresa cuja a responsabilidade da segurança da TI é por sua conta:

  • Os dados sigilosos armazenados em seu computador, como o seu arquivo de senhas e a sua declaração de Imposto de Renda, podem ser recuperados de algum sequestro e você evita que eles sejam expostos;
  • Muitas das informações gravadas em máquinas podem ser recuperadas caso o seu sistema de proteção de dados não dê conta de proteger o seu negócio;
  • Seus backups podem ser recuperados caso sofram acesso indevido, principalmente aqueles enviados para áreas de armazenamento externo de mídias;
  • As comunicações realizadas pela Internet, como os e-mails enviados/recebidos e as transações bancárias e comerciais realizadas, podem ser recuperadas caso sejam interceptadas.

Apesar disso, muitos cuidados devem ainda serem tomados pela sua organização quando o assunto é combater ataques cibernéticos através da descriptografia de dados.

Sejam cuidados com os dados mantidos ou com as chaves criadas para descriptografá-los.

Para isso, você e sua equipe devem também investir na proteção de dados, o que trará ao seu negócio garantias como:

  • A redução de vulnerabilidades;
  • Proteção de informações sigilosas;
  • Prevenção contra o vazamento de dados diversos;
  • Evita o sequestro de dados sob os cuidados da empresa;
  • Otimização da equipe de TI da sua empresa;
  • Identificação de anomalias na TI da organização;
  • Prevenção da suspensão de atividades;
  • Preservação de imagem da marca do seu negócio;
  • Combate ameaças internas;
  • Evita inúmeros prejuízos.

E agora que você sabe o que é descriptografia e como utilizá-la para se proteger de diversos riscos, acesse o site da Eco IT e veja como outros conteúdos que preparamos pensando na segurança do seu negócio.


Compartilhe com um amigo!