O que é patch e por que fazer o gerenciamento desse programa?

Quem trabalha com softwares e está por dentro das tecnologias, provavelmente, já ouviu falar no termo “patch”. Mas será que você sabe de fato o que é patch

O patch tem a função de auxiliar no combate às vulnerabilidades dos programas e na correção do controle do hardware, de modo a corrigir erros e falhas, além de melhorar sua usabilidade.

Se você ainda não sabe muito bem o que é patch, como ele atua e nem como implementar uma gestão eficiente dessas atualizações, não se preocupe, reunimos tudo o que você precisa saber para garantir sua segurança e confiança nos softwares que utiliza. Continue em nosso post e saiba mais sobre o tema! 

O que é patch?

De uma forma literal, patch é uma palavra do inglês que significa “remendo”. E é exatamente essa sua função na prática: “remendar” ou corrigir algo que, por algum motivo, não está funcionando do jeito que deveria dentro de um determinado software.

Os patches mais comuns são conhecidos como bugfix. Esses são criados e implementados para remediar erros e bugs que se fazem presentes no sistema.

De uma maneira geral, os bugs mais comuns os quais os patches tentam remediar têm a ver com vulnerabilidades de segurança. Ou seja, se algum software apresentou uma falha que possa fazer com que dados importantes sejam vazados ou explorados por criminosos, o patch atua nessa correção.

Mas para entender o que é patch, você tem que saber que essa não é a única função que ele exerce

Existem tipos específicos que são usados para fazer alterações em funcionalidades que não necessariamente apresentam problemas, mas que tornam o software mais agradável e com mais usabilidade ao usuário.

Além disso, existem também os patches próprios para acrescentar algum recurso novo ou mudar a aparência dos programas. Esses tipos são muito usados em games, por exemplo.

De maneira geral, o patch pode ser visto como uma atualização, sendo bastante utilizado por sua praticidade, tanto para o desenvolvedor, quanto para o usuário. 

Afinal, é muito mais fácil modificar um programa já instalado, do que ter que adquirir uma versão nova toda vez que a atual apresentar problemas.

No caso dos sistemas operacionais, a função é ainda mais importante. Com o Windows, por exemplo, a Microsoft frequentemente produz e disponibiliza os patches próprios para cada caso e versão. Nesse caso, a preocupação com a segurança é a prioridade.

Por que o patch é importante?

Os hackers buscam atuar em pequenas falhas no sistema operacional que, na maioria das vezes, são imperceptíveis aos usuários. 

Portanto, é importante ressaltar que quanto mais vulnerável estiver o sistema, ou seja, quanto mais falhas ele apresentar, mais fácil será para a entrada de cibercriminosos.

Dessa forma, os hackers vão se aproveitar de uma vulnerabilidade específica e escrever códigos para atacar exatamente aquele ponto. Assim, sem ao menos perceber, os usuários podem ter o computador invadido e seus dados roubados.

Agora que você sabe mais sobre o que é patch, é interessante dizer que o processo de diminuição de vulnerabilidades, e subsequente aumento na segurança, passa diretamente pela utilização dos patches. 

As empresas fabricantes dos softwares frequentemente recebem reclamações de problemas diferentes e lançam atualizações para remediá-los, por isso, é essencial que tudo esteja em dia com seus programas e atualizações.

É comum que, enquanto os usuários estão utilizando o computador ou celular, surjam mensagens que recomendam atualizações no sistema ou em algum software específico. 

Tal fato pode ser um incômodo para algumas pessoas, que acabam sempre deixando para depois tais atualizações.

Porém, é importante, mais uma vez, ressaltar que aceitá-las é o melhor caminho para aumentar sua segurança. 

É essencial criar a prática de não clicar no botão do “lembre-me mais tarde” e seguir em frente o quanto antes para garantir que o sistema esteja sempre em dia.

Para empresas, esse procedimento se torna ainda mais importante. Um sistema exposto e vulnerável pode trazer não somente dores de cabeça, mas também prejuízos que podem ser irreparáveis.

Planejar uma política de gerenciamento de patches é muito importante para empresas, principalmente as que dependem de softwares para fazer seus negócios.

Estudar as vulnerabilidades, e tratá-las eficientemente, pode trazer os mais variados benefícios ao empreendedor.

Por que gerenciar?

Mais do que entender o que é patch, é preciso compreender a importância de seu gerenciamento. Podemos observar de forma imediata diversas vantagens em manter todos os seus sistemas atualizados, confira:

  • Identifica aplicações e programas com vulnerabilidades;;
  • Correção das vulnerabilidades e diminuição do risco de ataques;
  • Gerenciamento e controle de atualizações em massa por política de dia;
  • Testes automatizados em ambientes controlados;
  • Reversão da atualização e base de conhecimento de patches que podem apresentar problemas ao ser atualizados e já definidos, controlando a implantação do patch;
  • Diminuição dos riscos de segurança e degradação do desempenho do serviço controlando quando e onde os patches são aplicados;
  • Conformidade e controle de softwares para auditoria com relatórios prontos e exibições de inventário x atualização;
  • Concentrador de site para atualizações.

Para conseguir todas essas vantagens, é necessário ter em mente que um processo de gerenciamento de patches é algo que requer uma série de decisões precisas.

O gerenciamento de patches considera não somente trazer as últimas atualizações para cada software, mas também é importante saber avaliar qual software e qual versão do mesmo é melhor para exercer determinada função. 

Em outras palavras, gerenciar os patches requer um trabalho de análise minucioso e complexo.

Ao mesmo tempo, sabemos que não somente os sistemas operacionais precisam ser atualizados, mas sim toda uma série de softwares que abrangem a área de TI da empresa.

Se você já entendeu o que é patch, sabe que é importante que todos esses programas estejam com todas as suas atualizações devidamente instaladas

Por isso, uma boa opção é utilizar softwares responsáveis justamente por gerir, buscar, baixar e instalar todo e qualquer patch presente na sua rede.

Assim, com o controle feito de maneira remota e automática, ganha-se tempo, e se tem uma maior segurança de que os mesmos estarão funcionando corretamente.

É importante ressaltar que o ideal é avaliar o caso de sua empresa, e saber se você realmente precisa de um software do tipo para gerenciar seus patches.

Em empresas de pequeno porte, que usam poucos softwares e têm uma rede de computadores relativamente reduzida, o gerenciamento dos patches pode ser feito de forma manual. 

Já em empresas maiores, com uma demanda grande, a instalação de aplicativos desse tipo se torna necessária. 

Por isso, saiba analisar a sua situação e suas necessidades na hora de avaliar corretamente qual software utilizar para tal função. 

É importante ressaltar que softwares responsáveis pela tarefa de gerenciamento de patches podem também desempenhar outras importantes funções, como:

Criação de relatórios

A criação de relatórios é uma funcionalidade importante para que os gestores possam acompanhar de perto a situação da segurança na rede utilizada e saber quais patches estão funcionando de fato. 

Um bom sistema de gerenciador de patches compila esses dados e os torna disponíveis para análise.

Agendamento e personalização

Ao buscar automaticamente os patches disponíveis dos sistemas operacionais, o software também dá a possibilidade de criar diferentes agendas para aplicação de patches específicos, evitando que se interrompa serviços importantes em determinados programas e horários.

Com isso, as exigências de cada patch são personalizadas e aplicadas da maneira que o usuário achar melhor, baseando-se nos dados apresentados.

Gerenciamento fácil de softwares de terceiros

Aqui estamos falando de programas diferentes aos sistemas operacionais, que também precisam de atualização. Um bom aplicativo de gerenciamento vai listar as atualizações disponíveis baseadas nos softwares utilizados.

Como gerenciar os patches?

Agora que você sabe melhor o que é patch, e por quê fazer esse gerenciamento, um dos grandes desafios para quem busca implantar essa política é justamente criar estratégias efetivas e coerentes com a atuação da empresa.

Apesar dessa estratégia variar de empresa para empresa (afinal, tudo vai depender do tamanho e da necessidade da mesma), como já dissemos, existem alguns pontos em comum que precisam ser explorados de forma geral.

Assim, seguindo estes passos, você consegue uma maior segurança e confiança na hora de atribuir funções para os patches.

Crie e use inventários para seus ativos de TI

O primeiro passo é listar todos os ativos utilizados no ambiente de TI conectados em rede pela empresa. Dessa forma, ao visualizar todos os aspectos do seu ambiente, fica mais fácil buscar soluções específicas para determinados problemas.

Naturalmente, esse serviço ajuda bastante na busca por novos patches, tornando o ambiente preparado na hora em que um deles é liberado pelo desenvolvedor.

Tal procedimento pode ser feito através de um aplicativo de gerenciamento de patches, como citamos acima, ou até mesmo manualmente, no caso de quem trabalha com redes menores.

Categorize os patches por prioridade

Alguns sistemas pedem um número maior de patches para funcionar corretamente. Por isso, é importante, ao listar seus ativos, identificar também quais deles precisam de uma atenção maior.

Nessa etapa, é essencial verificar se uma atualização não vai prejudicar outra funcionalidade que é mais prioritária à atuação daquele software.  

Desenvolva procedimentos de testes

Quem trabalha com tecnologia e entende o que é patch vai saber que nem sempre o mesmo pode funcionar da melhor forma possível.

Por isso, antes de aplicá-lo de fato, é importante realizar certos testes em usuários menores. Só assim, pode-se verificar com absoluta certeza que o patch não vai atrapalhar o sistema de uma maneira geral.

O ideal é criar um ambiente de testes que irá replicar a atuação dos softwares com as atualizações propostas. Somente depois que tudo esteja comprovadamente correto, a instalação é feita no sistema principal.

Tal método pode parecer trabalhoso e desnecessário, mas essa rotina pode prevenir dores de cabeça ainda maiores caso o patch prejudique de vez a atuação da rede.

Mesmo quando os patches são de fato instalados e colocados na prática, é importante seguir com o seu monitoramento. Isso é recomendado, pois pode haver algum aspecto que não foi observado ou listado devidamente.

Assim, qualquer outra alteração negativa deve ser listada e remediada da maneira adequada.

Atribua funções dentro da equipe

Para quem já conta com uma equipe de TI dentro do quadro da empresa, fica mais fácil implantar o gerenciamento de patches. 

Por isso, é importante atribuir a uma ou mais pessoas a função de buscar, atualizar e testar os patches.

Mesmo que isso seja função específica de alguém, é preciso que todo o time entenda a necessidade dessa rotina. 

Com todos os colaboradores cientes sobre o que é patch e suas importâncias, poderão auxiliar nesse processo de gestão dos mesmos.

O importante é que o trabalho em conjunto seja mais preventivo do que reativo, de modo a aumentar a segurança dentro do ambiente da empresa.

Atualizar programas vai além de computadores, afinal, nesse momento em que o uso de aparelhos eletrônicos é mais do que comum, tanto na vida pessoal quanto no trabalho, os indivíduos alimentam cada vez mais a necessidade de utilização de diversos softwares, não importa qual função eles cumpram.

É importante saber que nenhum software é perfeito, e mesmo com todos os cuidados de segurança vindo dos fornecedores, todos eles estão sujeitos a falhas que podem comprometer seu desempenho, ou até mesmo deixar os seus dados expostos para cibercriminosos.

Para isso existe o patch, que pode servir para diversas funcionalidades que pontuamos por aqui. 

Para que o patch funcione corretamente, o ideal é que exista uma política de gerenciamento desses patches dentro das empresas, para que todos os softwares essenciais para a operação estejam sempre atualizados e com suas melhores versões.

Uma tarefa como essa deve ser vista como mais um investimento em sua segurança de seus dados e também como prioridade.

Com uma política de gestão de patches eficiente, o funcionamento correto de todas as funções do sistema é garantido e, com o tempo, os benefícios são facilmente observados.

Se você ainda não começou a implantar um gerenciamento correto de patches no ambiente de trabalho, comece logo. Você já sabe o que é patch e como pode implementar essa prática dentro da sua empresa da melhor forma possível. Não perca tempo! 

Existem diversos cibercriminosos que buscam uma oportunidade como essa para poder atuar e roubar dados importantes de você e de sua empresa. Comece já a listar seus ativos, avaliar seus patches, e “remendar” tudo o que não funciona. 

Agora que você sabe mais o que é patch, pode fazer com que esse recurso tão importante seja aplicado de maneira correta em sua empresa. Ainda, aproveite e fique por dentro do scan de vulnerabilidades, mais uma ação para a segurança do seu negócio!


Compartilhe com um amigo!