O que são vírus: conheça os mais perigosos e formas de se proteger

Muitas pessoas se perguntam o que são vírus e, a partir disso, acabam encontrando dificuldade quando precisam diferenciar os tipos de malware existentes.

Entender como cada vírus age é fundamental para a sua compreensão sobre o que são vírus.

Então, continue a ler este post para conhecer mais sobre o tema.

Falaremos sobre a diferença entre vírus e outros malwares, citaremos alguns tipos de vírus, os motivos de sua criação e, ainda, como se proteger deles.

O que são vírus?

Vírus são softwares, ou códigos maliciosos, programados para interferir no funcionamento das suas máquinas. Seu desenvolvimento visa a sua propagação entre os diversos computadores da sua empresa.

Os vírus podem se alastrar em vários computadores e redes, criando cópias deles mesmos nos seus dispositivos.

Esses tipos de softwares danificam os computadores de uma organização e causam prejuízos dos mais variados por meio da corrupção de arquivos do sistema, utilização de recursos e destruição de dados.

De forma menos prejudicial, um vírus pode ser um aborrecimento que lhe causa, apenas, atrasos na rotina da sua equipe e do seu negócio.

Isso pode acontecer simplesmente pelo fato de que tais programas consomem a capacidade de armazenamento e de memória ou, ainda, diminuem o desempenho das máquinas infectadas.

Para entender o que são vírus, você precisa saber que eles atuam se inserindo ou se anexando a um programa, ou documento, legítimo.

Esse programa, ou documento, deve ter suporte para macros, a fim de que o vírus possa executar o seu código.

E é durante esse processo no qual o vírus de computador pode potencialmente proporcionar riscos inesperados e prejudiciais aos sistemas de TI da empresa.

Por volta de dez anos atrás, a maioria dos vírus se espalhava por meio do compartilhamento de arquivos em disquete, mas a popularização da Internet trouxe novas formas de contaminação e de vírus.

Segundo a International Security Association (ISA), mais de 60 mil vírus já foram identificados e 400 novos modelos são criados mensalmente, impedindo que você esteja 100% imune a eles.

Qual a diferença entre vírus e malware?

Você precisa estar ciente de que nem todo software que ataca os computadores da sua organização é um vírus.

E, compreender isso esclarecerá todo seu aprendizado sobre o que são vírus e as diferenças existentes em relação aos demais malwares.

Os vírus são apenas um tipo de malware (software maligno) dentre muitos outros. A seguir, listamos alguns dos tipos mais comuns de malware para seu conhecimento:

  • Cavalos de Troia: esse malware finge ser um software legítimo ou vem integrado em um, enganando o usuário e pronto para abrir as portas permitindo a infecção do seu computador por outros malwares;

  • Spyware: malware projetado para espionar usuários, salvar suas senhas, informações de cartão de crédito, outros dados pessoais e padrões de comportamento online a fim de criar um vazamento para o seu programador;

  • Worms: esse tipo de malware visa redes inteiras de dispositivos, pulando de máquina para máquina;

  • Ransomware: essa variedade de malware sequestra arquivos, criptografa-os e exige dinheiro (resgate) da vítima em troca de uma chave de descriptografia;

  • Adware: tipo de malware que inunda as vítimas com anúncios indesejados e abre pontos de segurança vulneráveis para outros malwares invadirem.

Esses malwares são normalmente chamados de “vírus”, o que é um equívoco. Afinal, como você pode ver, um vírus de computador é um tipo específico de malware.

Tipos de vírus de computador

E já que o assunto é entender o que são vírus, nada melhor do que você conhecer alguns dos diferentes tipos existentes e alguns exemplos de cada tipo.

Apresentaremos, a seguir, de modo a esclarecer o quão perigosos alguns tipos podem se tornar para o seu negócio, causando problemas constantes.

Vírus de setor de inicialização

O setor de inicialização é a parte do HD da sua máquina responsável por carregar o sistema operacional do seu computador.

Um vírus de setor de inicialização infecta o registro de inicialização mestre (MBR) e, toda vez que o dispositivo faz a inicialização, o vírus é carregado na memória do computador.

Esses vírus se tornaram raros devidos aos avanços tecnológicos e, atualmente, eles sobrevivem principalmente como anexos de e-mail.

Alguns exemplos de vírus de setor de inicialização são: Elk Cloner; Stoned; Parity Boot; Michelangelo.

Vírus de ação direta

Vírus projetados para “passar” por seu computador. O que isso significa? Eles entram na máquina, se espalham por arquivos de um tipo específico (COM ou EXE, geralmente) e, por fim, eliminam-se a si mesmos.

Os vírus de ação direta são fundamentais para o entendimento sobre o que são vírus, pois eles são os mais existentes e os mais fáceis de projetar.

Isso os torna também os mais fáceis de combater e eliminar. E temos como exemplos de vírus de ação direta: Win64.Rugrat; Vírus Vienna.

Vírus residente

Ao contrário dos vírus de ação direta que mencionamos anteriormente, os vírus residentes permanecem na memória principal do seu computador (RAM).

E, obviamente, isso é péssimo: visto que eles podem continuar operando mesmo após você e sua equipe terem se livrado do responsável pela infestação.

Alguns deles agem rapidamente enquanto outros operam seus danos de forma mais lenta e, assim, são mais difíceis de serem detectados.

Exemplos de vírus residentes na memória são: Jerusalem (também conhecido como sexta-feira 13); Vírus Onehalf; Vírus Magistr.

Vírus multipartite

Esses vírus são extremamente versáteis, pois dobram sua velocidade de disseminação visando tanto seus arquivos quanto o espaço de inicialização.

Dessa forma, mesmo se você e sua equipe obtiverem sucesso em remover todos os arquivos infectados nos dispositivos da empresa, o vírus ainda continuará escondido no setor de inicialização.

Ele estará pronto para atacar novamente, pulando de um dos arquivos infectados e infectando a máquina mesmo que você tenha limpado o setor de inicialização.

São exemplos de vírus do tipo multipartite: Junkie; Tequila; Invader.

Vírus polimórficos

Os vírus polimórficos são considerados mutantes do mundo dos vírus de computador devido ao fato de que mudam de forma para evitar a detecção, mantendo a sua capacidade como ameaça.

Após infectar os arquivos, esses vírus se replicam de maneira ligeiramente diferente. Por esse motivo, são muito difíceis de serem detectados e removidos totalmente.

Exemplos sobre o que são vírus polimórficos: Satanbug; VirLock.

Vírus de macro

Existem vírus que são escritos em linguagem de macro, com a intenção de integrá-los a softwares que permitem mini programas de macro, como o Microsoft Word.

E o que isso significa? Significa que, nesse caso, o seu computador pode sofrer ataque de vírus originados de documentos do Word infectados.

E são exemplos de vírus de macro: Melissa.

Mas por que são criados os vírus?

Os vírus são projetados e programados com grande cuidado, com a intenção de atacar dispositivos, sistemas e redes da sua empresa ou organização.

Mas qual a finalidade dos programadores ao criarem e usarem um vírus? Entender os motivos por trás da criação é essencial para você entender, de fato, o que são vírus.

Como você pode perceber, a maioria dos vírus de computador causam diversos prejuízos para você e para a sua equipe durante a gestão da TI da empresa onde você trabalha.

Mas, pode-se dizer resumidamente que, o objetivo dos programadores de vírus de computador é espalhar o caos e trazer grandes problemas para você e seu negócio.

Ainda assim, existe um pequeno subconjunto de “bons” vírus, os quais são responsáveis por te auxiliar a combater os demais tipos de vírus.

Alguns deles são capazes de comprimir todo arquivo infectado, a fim de economizar espaço nos discos das suas máquinas que foram atingidas.

O Linux.Wifatch, por exemplo, é um vírus que infecta um dispositivo sem consentimento do usuário e coordena suas ações através de uma rede peer-to-peer, agindo como um tipo de “guarda de segurança“.

E existem outros vírus “bem-intencionados” que agem como uma vacina, à medida em que forçam organizações privadas e públicas a fortalecerem suas medidas de segurança para repelir ameaças genuínas.

Os criadores desses tipos de vírus afirmam tornar o mundo mais seguro apontando brechas e falhas de segurança que podem ser exploradas por outros vírus com intenções realmente malignas.

Mas, ainda assim, você deve tomar muito cuidado, pois esses vírus sobrecarregam rapidamente as defesas que eles supostamente deveriam testar.

Como proteger seu negócio contra os vírus?

Descobrindo o que são vírus e como eles podem afetar seu negócio, não há dúvidas de que o melhor caminho para o seu negócio é o investimento em proteção.

Você, definitivamente, não quer que nenhum vírus de computador chegue perto dos arquivos, discos rígidos e da rede conectados ao seu sistema.

Para isso, o primeiro passo a ser seguido pela sua empresa é o da prevenção. Mas como fazer isso agora que você e sua equipe sabem o que são vírus?

Abaixo, colocamos alguns passos referentes à conscientização digital que podem impedir a infecção das suas máquinas e dispositivos:

Não clique em links

Jamais clique nos links recebidos através de e-mails ou mídias sociais que tenham sido enviados pelos seus contatos ou, principalmente, por destinatários desconhecidos sem que haja um contexto previamente determinado para o recebimento desse conteúdo.

As contas das pessoas em algumas redes sociais e servidores de e-mails são comumente invadidas e usadas para disseminar vírus e malwares.

Não abra anexos de e-mail

Nunca abra anexos de e-mail que não foram solicitados ou de destinatário desconhecido, a menos que tenha certeza absoluta do que se trata o arquivo enviado.

Muitos criminosos frequentemente contam com a sua curiosidade natural para disseminar vírus.

Algumas mensagens falando sobre alguma premiação ou bonificação podem ser usadas para você abrir um anexo e sobre o se trata. E pronto: você estará abrindo as portas a uma infecção.

Não acredite em mensagens que dizem sobre seu computador estar infectado.

Muitos pop-ups que não vêm diretamente do seu anti-vírus emitem essa mensagem e há uma grande chance de você estar sendo levado a baixar um anti-vírus falso.

Esse falso software de segurança fará com que sua empresa perca dinheiro e esteja vulnerável a uma infecção dos seus dispositivos com algum malware.

Não ative macros no Microsoft Office

Antigamente, recomendaríamos a desativação dos macros, mas a própria Microsoft já realiza isso como medida padrão. E os cibercriminosos tentarão enganá-lo para que você os ative por meio de um e-mail infectado.

Evite a utilização de programas originados de fontes desconhecidas

Muitos programas podem aparecer para que você os utilize de forma gratuita ou “pirata”, mas você pode pagar um preço alto permitindo a infecção das máquinas da empresa.

Somente realize downloads de aplicativos licenciados

Existem diversas versões gratuitas de aplicativos cuja a sua versão licenciada possui um preço alto, mas, ao pagar por essa versão, você acaba prevenindo que seus dispositivos e sistemas não sofram qualquer infecção

Proteja todas as máquinas e computadores com anti-vírus.

Um anti-vírus é sua primeira linha de defesa contra vírus e alguns outros malwares com os quais você provavelmente não deseja lidar.

São poucas as opções de softwares anti-vírus gratuitos disponíveis de qualidade excepcional.

Mas você deve tomar muito cuidado ao realizar o download de um anti-vírus gratuito qualquer, pois alguns deles, na realidade, são transmissores de malware disfarçados.

Além disso, muitos desses softwares gratuitos acabam por não prestar uma devida proteção ao seu negócio.

E vale lembrar que um vírus de computador é apenas um dos vários tipos de malware e somente um aspecto do cenário geral de ameaças e cibercrimes.

Por isso, um software anti-vírus tradicional não fornecerá proteção total contra todas as ameaças que a empresa onde você trabalha está sujeita.

Procure por uma empresa de consultoria que poderá lhe fornecer o melhor caminho na proteção do seu negócio, além de soluções e tecnologias patenteadas que funcionam de forma integrada para superar as ameaças online.

Com isso, você e sua equipe estarão melhor preparadas para encarar os desafios de lidar com os mais perigosos vírus que ameaçam a sua organização.

E, claro, a sua TI não estará mais exposta a tantas a ameaças que constantemente se inovam já que aprenderam sobre o que são vírus.

Sabendo agora o que são vírus, e como proteger seu negócio dos tipos mais perigosos, aproveite para acessar o site da EcoIT e descobrir novas soluções para a sua empresa.


Compartilhe com um amigo!