Rootkit: seu computador está protegido?

Você já imaginou se o seu computador fosse invadido e algum mal intencionado utilizasse as suas informações sem que você perceba? É exatamente isso que acontece com o rootkit, um programa malicioso que é quase sempre extremamente perigoso.

O que diferencia o rootkit dos demais é a capacidade de se “camuflar” na máquina. E, com isso, algum hacker pode ter total acesso ao computador sem que o usuário perceba.

Dessa forma, você pode continuar usando sua máquina, normalmente, por meses, e até anos, sem nem perceber a presença do malware, enquanto cibercriminosos aproveitam para roubar seus dados e recursos da máquina.

Apesar da natureza assustadora desse tipo de ameaça, saiba que ele pode ser retirado e até mesmo evitado.

Se você quer ter certeza que não é vítima desse malware, nosso artigo é para você! Confira o que separamos sobre o rootkit, como ele atua e como você pode se proteger desse problema.

O que é o rootkit?

Para saber como essa ameaça funciona, vamos analisar primeiro a origem do nome rootkit. O termo rootkit deriva da união das palavras root e kit.

A palavra root significa raiz em inglês e é usada para descrever o usuário que possui controle total do computador. Ou seja, trata-se de um kit de acesso que dá privilégios ao sistema.

Portanto, percebe-se que a ideia desse programa é liberar o acesso à máquina, de tal forma que o usuário não perceba. Como já citamos, esse acesso é feito de maneira secreta. Assim, o programa funciona como uma “porta”, que possibilita ao hacker entrar e sair do computador sem ser notado.

Se engana quem pensa que o rootkit atua somente em computadores com informações valiosas. Mesmo computadores comuns podem ser úteis ao malware para operações como produção de bitcoins, envio de spam e ataques DDoS, por exemplo.

Como atua o rootkit?

O que diferencia o rootkit dos demais malwares que podem afetar uma máquina é a forma com a qual ele consegue se esconder no computador. Geralmente, sua atuação é diferente no Windows e em sistemas Linux.

Quando tratamos de Windows, o rootkit faz com que as tarefas de memória sejam modificadas e anuladas. Assim, um programa que usa esses arquivos, não consegue acessá-los, causando diversas mensagens de erro.

Dessa forma, os programas são “enganados” ao achar que os arquivos não estão lá, quando na verdade estão sendo utilizados de maneira maliciosa pelo malware.

Já nos sistemas Linux/Unix, a atuação é distinta. O rootkit troca um programa de listagem de arquivos, conseguindo se “abrigar” no meio deles, se escondendo no sistema.

Dessa forma, se o rootkit não for descoberto, o hacker tem livre acesso à máquina infectada.

Em ambos os casos, portanto, o malware modifica operações consideradas legítimas e consegue se esconder das varreduras dos antivírus.

Em casos mais avançados, o rootkit pode até mesmo criar ameaças legítimas, de forma a “ocupar” os antivírus, e conseguir camuflar a verdadeira atuação maliciosa que ocorre no computador.

Com isso, os hackers se utilizam dos arquivos para cometer seus crimes. Um dos métodos mais comuns é implantar um keylogger na máquina.

Com o keylogger, senhas, nomes de usuário e informações digitadas são expostas e podem ser utilizados maliciosamente.

Como se prevenir dos rootkits?

Para saber formas de prevenção, primeiro é importante descobrir as maneiras mais comuns de ter o computador infectado pelo rootkit, que não são diferentes de como contrair outros softwares maliciosos.

Geralmente, a forma mais comum de ser infectado por um rootkit é através de downloads, que podem vir de atualizações de softwares a cliques em anúncios, por exemplo.

Portanto, a primeira dica parece óbvia, mas é essencial: sempre desconfie ao clicar em um link considerado suspeito. Isso vale para quando acessar sites, e-mails e mensagens de maneira geral.

Dessa forma, você se protege de vários tipos específicos de malware, e consegue ter uma experiência mais segura em sua máquina.

Outra boa prática é atualizar constantemente o sistema operacional. A cada download da atualização, os protocolos de segurança são modificados e melhorados, o que pode ajudar na prevenção.

Investir na proteção pessoal do computador também é essencial. Não basta apenas ter um bom antivírus atualizado, também é importante ter instalados firewall, antispam e antispyware.

Como detectar e remover o rootkit?

Mesmo com todas as boas práticas de prevenção, alguns usuários contraem o malware, por isso, é sempre bom saber o que fazer caso você caia nessa armadilha.

Justamente pela natureza secreta de sua atuação, detectar um rootkit não é uma tarefa fácil. Mas não quer dizer que é impossível.

Existem alguns antivírus convencionais que têm funcionalidades específicas para conseguir detectar programas desse tipo.

Softwares como McAfee Rootkit Remover, Kaspersky TDSSKiller e Avast são alguns exemplos que possuem a função.

É importante ter atenção, pois, na maioria dos casos, mesmo que detectado pelo sistema, o rootkit precisa ser deletado manualmente.

Existem, ainda, alguns softwares específicos no mercado para combater esse tipo de malware, como Chkrootkit, SysProt AntiRootkit e GMER. Neles, existem duas maneiras de atuar para encontrar o rootkit.

A primeira forma é fazendo uma varredura. Dessa forma, os programas buscarão em processos, tópicos, módulos, serviços, chaves de registro e arquivos ocultos os rootkits escondidos.

Outro método consiste em uma análise forense, apurando os arquivos ocultos do sistema, já que é assim que o malware atua.

Muitas são as ameaças que podem surgir nos computadores e, estar por dentro de segurança digital, é essencial para saber como agir.

Seja utilizando o computador para trabalho ou para uso pessoal, é preciso utilizar um bom antivírus e utilizar as boas práticas de cuidados com links e atualização de softwares para se manter seguro e fazer dessa uma boa experiência.

Agora que você já conhece mais sobre rootkit, conheça seu antivírus, faça uma varredura regular, atualize seu sistema e, se necessário, contrate ajuda profissional para resolver seu problema.

Aproveite que você está mais por dentro sobre o que é rootkit e segurança digital e conheça um pouco mais sobre malware!


Compartilhe com um amigo!